CELEBRANDO CÍCERO DIAS

Tem tudo para bombar a mostra que celebrará os 110 anos de nascimento do pintor Cícero Dias, expressão do modernismo brasileiro. Coordenado pela Base 7, tendo a curadoria de Denise Mattar, o evento ocupará unidades do Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio, São Paulo, BH e Brasília. Marcada para março de 2017, a exposição terá a imprescindível colaboração do marchand de tableaux Waldir Simões de Assis Filho, profissional maiúsculo na bibliografia do modernista brasileiro, com a substancial presença de sua filha, Silvia Dias. Presente em museus internacionais e coleções de porte, como a do banqueiro Luis Antonio Almeida Braga e do empresário Sérgio Fadel, a arte do pintor pernambucano terá a melhor amplitude visual, já que a celebração nas quatro capitais reunirá 130 telas , com produção dos anos 40 aos 90. Personagem da crônica social do Brasil, Ibrahim Sued, colunista de O Globo, Rio, foi um dos que garimparam preciosidades no atelier da Rue de Longchamp,

 do qual era habitué, em suas incursões parisienses. Uma dessas telas está com Bebel, sua filha, em sua residência francesa. Rememorando: foi de grande fulgor o lançamento do livro de Cícero Dias, do começo ao fim com supervisão de Simões de Assis, tendo como palco a embaixada do Brasil em Paris. Naqueles salões, viam-se figuras do creme social carioca (Monteiro de Carvalho, Catão, ...) e expressões da elite francesa, como Arlete Mitterrand, cunhada do presidente, e a baronesa Silvia Amélia de Waldner. Em tempo: mais do que memorável foi a exposição de Cícero Dias, no MON, em Curitiba, em 2006, onde a operosidade e desenvoltura de Simões de Assis foram dignas de loas. Aquela que foi a maior exposição do artista modernista marcou também pela belo gesto de Raymonde e Silvia, mãe e filha, doando dois trabalhos dele para o acervo do Museu Oscar Niemeyer.

Postado dia sábado, 26 de março de 2016 com os seguintes temas ,.Você pode seguir este post através do link RSS 2.0. Você pode deixar um comentario.

Deixe seu comentário